Poesia

Os Meses e Os Anos

Facebook
Twitter
Já passaram tantos meses, tantos anos

Na vertigem dos dias e das horas

São tempos que povoam as memórias

Bravos, calmos, de enganos e desenganos.

Já lá vai saudoso esse passado

Em que os sonhos são uma alquimia

Aberto ao dogma fácil e à fantasia

Ou que inspira amor: amada e um amado.

Calendários temporais enfim rasgados

Levados pelo amadurecer, sombrios os fados

De cada gesto, brado ou sentimento

Há um presente, porém, cheio de esperança

Naquelas molduras em que se é criança

Na incógnita de um futuro, feito de vento.

28 de Abril de 2022

Quantas estrelas esse artigo merece?

Classificação média 0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a classificar esse artigo

Como você achou este artigo útil ...

Partilhe-o nas redes sociais

Lamentamos que este artigo não lhe tenha sido.

Ajude-nos a melhora-lo!

Diga-nos como podemos fazê-lo.

close

Quer receber as nossas notícias em primeira mão?

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

Mais Por Explorar

Os Meses e Os Anos

Já passaram tantos meses, tantos anos Na vertigem dos dias e das horas São tempos que povoam as memórias Bravos, calmos, de

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.