Poesia

Gaivota de Prata

Facebook
Twitter
Mal posso esperar
poder voar sobre o mar
ser a gaivota mais bela
num momento de aguarela
e sem medo flutuar.

À distância tudo olhar
cobrir as asas de espuma
branca, verde, luz diurna
leve, sentada no vento
navegando sobre o Mar.

No ocaso, prateada
na noite escura, assombrada
ser grito na solidão
negras ondas, mergulhar
dominando a imensidão…

Enquanto a Lua brilhar
Até a aurora aparecer
Até na praia assentar.

Poema e Ilustração de Maria de Lurdes Godinho

Quantas estrelas esse artigo merece?

Classificação média 0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a classificar esse artigo

Como você achou este artigo útil ...

Partilhe-o nas redes sociais

Lamentamos que este artigo não lhe tenha sido.

Ajude-nos a melhora-lo!

Diga-nos como podemos fazê-lo.

close

Quer receber as nossas notícias em primeira mão?

Não enviamos spam! Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

Mais Por Explorar

Gaivota de Prata

Gaivota de Prata

Mal posso esperar poder voar sobre o mar ser a gaivota mais bela num momento de aguarela e sem medo flutuar. À

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.